Por invasão, STJD deve punir Cruzeiro com jogos sem torcida; veja

Cruzeiro tem mais três jogos em casa no Brasileirão.

0

As notícias ruins, ao que parece, ainda não acabaram no Cruzeiro. Pois o clube celeste deve ser punidos com 30 dias sem poder jogar com sua torcida, pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). A punição deve-se a invasão do campo pela torcida celeste no confronto contra o Coritiba, pelo Campeonato Brasileiro. A informação é de Wellington Campos (Itatiaia).

Na oportunidade, o Coritiba recebia o Cruzeiro no estádio Durival de Britto pela 34ª rodada do Brasileirão. Precisando vencer, o Cruzeiro teve os melhores números, mas acabou sofrendo o gol nos minutos finais do segundo tempo. Logo após o gol, torcedores do Cruzeiro invadiram o campo e na sequência, torcedores do Coritiba também. Por fim, ambos entraram em confronto.

“aos 45 minutos do 2º tempo, no momento em que a partida estava paralisada e os atletas da equipe mandante comemoravam um gol, ocorreu uma invasão generalizada por torcedores que estavam localizados no setor especifico da torcida visitante cruzeiro saf, que partiram em direção ao setor destinado aos torcedores da equipe mandante. em ato continuo, parte da torcida da equipe mandante coritiba saf também invadiu o campo de jogo partindo em direção aos torcedores da equipe visitante que haviam invadido o campo de jogo gerando um confronto generalizado” – relatou o árbitro Bráulio da Silva Machado em súmula

Dessa forma, o Coritiba também deverá ser penalizado com jogos sem sua torcida, que vão ser contra Fluminense (fora), Botafogo (casa), Bragantino (fora) e Corinthians (casa). O Cruzeiro, por sua vez, não vai ter a torcida nos jogos restantes contra Fortaleza (fora), Vasco (casa), Goiás (fora), Athletico-PR (casa), Botafogo (fora) e Palmeiras (casa).

CEO do Cruzeiro, Gabriel Lima não poupou os torcedores que invadiram o campo:  “Viemos trazer o repúdio do Cruzeiro e nosso, pessoalmente. Até quando esses marginais, travestidos de torcedores, vão estragar o futebol brasileiro? A gente ser xingado, humilhado, ameaçado. As nossas famílias, dos jogadores… até quando vamos permitir isso? Só vai mudar quando forem punidos de verdade.”

Ademais, o CEO do Cruzeiro também criticou a estrutura do estádio Durival de Brito, onde aconteceu o jogo: “Como permitimos jogar em um estádio com essa infraestrutura? Como é permitido um jogo dessa importância, com esse nível de estresse, a gente jogar em um estádio sem a menor condição de segurança para os jogadores e da própria torcida. Essa indignação, eu gostaria que vocês passassem. Vocês são ameaçados no trabalho de vocês?”

Deixe uma resposta